A poesia de Ofélia Cabaço

Espera,

Que voltem ao lugar as “coisas”,

Que a luz atinja alguma perfeição…,

E adornadas de jardins, as casas

Emanem sorrisos e aventurança

Tingidas de alperce e romã, voltem

As tardes besuntadas de nuances

Alperces e romãs, lírios e uma papoila

Na envolvência do mistério e das cores,

Voltem, a alegrar nosso coração…;

Quando a montanha solitária

Espera a noite e o encanto da lua,

Além, como alma iluminada,

Na quietude do universo a desoras,

Transcende o firmamento, Maria;

Voltem os dias, as noites e a vida,

Quando o medo é rosa feia e tisica

Se desfolha para lá dos pinheiros…,

Voluntariamente, a Terra brotará, seiva

Searas resplandecentes, seiteiras

Em mãos certeiras (…)

Abundância que ao espírito eleva

Na existência dum mistério oculto.

Como eterna primavera que enrubesce

A frescura dos pomares, dos campos

E das almas.

Ofélia Cabaço

Fevereiro 2021

Meu coração como uma pétala

Conforme a brisa e o ardor do dia

Ora se eleva em prece

Ao que alma livre lhe apetece,

Ora ao sabor de sol fulgente

Se aquieta em consumição,

Quando brilham as estrelas

em noites cálidas,

Seja qual for a metamorfose,

Há em mim um ímpeto espiritual

Que se si é fenomenal…

Como pétala meu coração seja

Da qual flor benfazeja,

Às vezes dorido…, como fita violácea

Ruma ao firmamento azuláceo

Adejando à leveza do etéreo…;

Quiçá massacrada plo vento,

A pétala seja pertença duma orquídea

Esvoaçando num vaivém irrenunciável!

Ofélia Cabaço

Março 2021