“Rei Ubu” regressa à Casa de Teatro de Sintra

O Rei Ubu volta à Casa de Teatro de Sintra entre os dias 10 e 20 de junho e vem para não deixar ninguém indiferente. Um “sucesso escandaloso” – foi a premonição cumprida para a estreia do Rei Ubu (ou Ubu Rei), em Paris, no ano de 1896. Obra-prima de Alfred Jarry, nunca perdeu a sua pertinência nem o seu lugar de primazia nos círculos artísticos e intelectuais de todo o Mundo.

O Rei Ubu é mais do que uma peça de sátira política, é um ato artístico de “humor meta-irónico” alinhado com os princípios da ciência imaginária fundada por Jarry: a patafísica.


Simbolista, precursor do Teatro Absurdo e do Surrealismo, o Rei Ubu é o manifesto de um intemporal inconformismo perante os vários aspetos da vida em sociedade. É a história de um anti-herói e na qual se abate o poder pelo riso, pelo ridículo e subversivo. Passa-se na Polónia ou “em parte nenhuma”, onde acontece um regicídio, a usurpação de um trono e o exercício do poder de forma errática, brutal e sanguinária.
Entre metáforas alucinantes e apocalípticas, jogos de palavras, anacronismos e paradoxos, o Rei Ubu toca, paralelamente, aquilo que se passa em toda a parte, em todas as sociedades, através dos tempos.


Um espetáculo do Fio d’Azeite – Grupo de Marionetas do Chão de Oliva com atores, marionetas e música ao vivo a não perder.


FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA
Autor: Alfred Jarry Adaptação Cenografia e Encenação: Nuno Correia Pinto Direção e Produção
Musical: Lito Pedreira Marionetas e Figurinos: Jorge Cerqueira Desenho de Luz e Imagem
Gráfica: André Rabaça Atores-Marionetistas: Nuno Correia Pinto, Tiago Matias e Paula Pedregal
Músicos: Hildebrando Silva e Lito Pedreira Direção de Produção: Nuno Correia Pinto
Secretariado de Direção e Produção: Cristina Costa Direção Técnica: Marco Lopes
(ShowVentura) Assistência de Produção: Cláudia Faria Montagem: Marco Lopes e Luís
Quaresma Vozes Off: Carla Dias, Fernando Ferreira, João de Mello Alvim e Tiago Matias
Comunicação Catarina Sobral.


O preço dos bilhetes situa-se nos 7,50€ ou 15€ na combinação de jantar com espetáculo.
Existem ainda descontos disponíveis para grupos, jovens, entre outros.


A informação sobre as condições de acesso aos espetáculos será disponibilizada nas
redes sociais e no site do Chão de Oliva. O espetáculo conta com o apoio da Câmara
Municipal de Sintra.


Créditos: Paulo Martins.
Espetáculos e Atividades
10 a 20 de junho
5ª feira a Sábado às 21:00H
Domingo às 16:00H
Dia 10/06 | ESTREIA | Rei Ubu | CASA DE TEATRO DE SINTRA| Horas: 21:00
Dia 11/06 | Rei Ubu) | CASA DE TEATRO DE SINTRA| Horas: 21:00
Dia 12/06 | Rei Ubu | CASA DE TEATRO DE SINTRA| Horas: 21:00
Dia 13/06 | Rei Ubu | CASA DE TEATRO DE SINTRA| Horas: 16:00
Dia 17/06 | Rei Ubu | CASA DE TEATRO DE SINTRA | Horas: 21:00
Dia 18/06 | Rei Ubu | CASA DE TEATRO DE SINTRA | Horas: 21:00
Dia 19/06 | Rei Ubu | CASA DE TEATRO DE SINTRA | Horas: 21:00
Dia 20/06 | Rei Ubu CASA DE TEATRO DE SINTRA | Horas: 16:00
Bilhetes e Reservas
Tel: 21 923 37 19
Bilhetes também disponíveis online.


Sobre o Fio d’Azeite – Grupo de Marionetas do Chão de Oliva
O Fio D´Azeite foi formado em 1992, como consequência de um trabalho de sensibilização às marionetas e às formas animadas, realizado em 1989 pelo Chão de Oliva, e dirigidos por José Carlos Barros e José Ramalho.
A atividade do Fio d’Azeite é caraterizada pelo domínio das linguagens tradicionais da “arte da marioneta” e procura de novas soluções formais para esta milenar expressão teatral. A nível dos temas, revisitam-se contos intemporais, tanto de tradição oral como escrita, assim como de textos de autores que se revelem como fonte de prazer e cúmplices de inquietação, num trabalho de pesquisa onde a figura, a imagem – enfim, a forma plástica – e os textos protagonizam novos significantes.
Neste percurso, tenta-se não confundir temas a abordar – e que até agora têm privilegiado um imaginário relacionado com a infância, mas com alcance para além dos tempos e das faixas etárias -, com técnicas: a preocupação, nesse âmbito, para além da aprendizagem do saber clássico, incide sobre a pesquisa estética nas preocupações artísticas do nosso tempo. Nesta procura, aposta-se ainda na multidisciplinaridade, valorizando a imagem em movimento, a paridade dos elementos visuais, assim como a extensão às outras artes, como o teatro, a música e a dança, numa pesquisa dinâmica e atenta das artes vivas contemporâneas.