Teatro Efémero em festival de Leiria

A companhia sintrense Teatro Efémero, estreia a sua terceira produção própria, um artista vulgar, no dia 19 de abril, dia em que as salas de espetáculo voltam a receber o público por todo
o país.

Estreia em Leiria, no Festival Sinopse (TE_ATO), às 19h30, no Teatro Miguel Franco. Segue para Sintra, na Quinta da Ribafria, nos dias 21 e 22 de abril. E passará por Cascais e Évora em junho.A encenação do espetáculo é de Miguel Moisés, a interpretação de Bernardo Souto e Tito Moreira, e o texto de Carolina Figueiredo. um artista vulgar, é inspirado no universo
existencialista presente nas obras de Franz Kafka, com especial atenção ao conto “Um Artista da Fome” e também se relaciona e inspira no filme Birdmand ou (A inesperada virtude da
ignorância) de Alejandro G. Iñárritu.

Um espetáculo que explora a condição humana, até onde somos capazes de ir, de agir, a rotina, o peso do trabalho, a procura de um sentido comum que nos insira a ser “alguém”, o que é ser “alguém”, somos em algum momento importantes no desenvolvimento da sociedade, para quê? E porquê? Existe algum sentido no que fazemos/somos? Como podemos contornar o nosso “destino”, se é que ele existe. Será real?


Somos reais. E o que é ser real? O que é ser pessoa? Sou livre ou tenho a ilusão de que vivo em liberdade? Sou livre porque penso? Porque decido? Ou tenho a ilusão de que decido? Sou e
quem crio as minhas próprias regras ou sou condicionado por algo? As minhas escolhas condicionam a minha existência a cada caminho que decido percorrer? A cada segundo? Sou o
que escolho ou sou o que escolheram para mim? Ou sou o que escolho, o que escolheram para mim e o que fizeram com o que escolhi para mim?

Comer. Reproduzir. Manter-me vivo. Comer. Reproduzir. Manter-me vivo. Comer. Reproduzir. Manter-me vivo.


Reservas e mais informações  teatroefemero@gmail.com
Fotografias e Documentos sobre o espetáculo
https://app.box.com/s/m4l0ashxt6r3ktit3e6ncp80dxihg979